terça-feira, 30 de agosto de 2011

meteoro em Twian


Nossa, eu sou extremamente preconceituosa com esse tipo de linguagem arquitetônica, mais parece um meteoro caído no parque que um edifício, mas enfim, é a vida, e ha gosto pra tudo. Nem me interessei em saber o que era, quem quiser, sinta-se a vontade aqui.

igrejas do século XXI (1)

Pois bem, aqui mais um belo exemplar para o que eu já estava falando das minhas inquietações sobre a  arquitetura religiosa contemporânea. A verdade é que tem muita coisa legal sendo feita também, só que em locais bem distintos e em uma escala muito menor. Ontem, encontrei esta preciosidade aqui, e que sintetiza de forma bastante feliz o que eu acho que perdemos enquanto cuidado estético para os nossos templos. Quando digo isto, não falo para voltarmos no Século XVI e encher os lugares de rococós, e baldaquinos com mil torções e anjos foleados a outro, vitrais que retratam até as verrugas de Judas, enfim, nada disso, o que defendo é um cuidado maior, mais primor e refinamento na linguagem que utilizamos. Ainda bem que nem tudo está perdido e esta capela é um belo exemplo disso. 
A Capela Rio Roca fica localizada no Texas, próxima a uma área de exploração de petróleo e gás. Não entendi se esta capela foi feita exclusivamente para o fim de atender aos trabalhadores desta região ou não, enfim, coisas do meu péssimo inglês. Sim, a capela é basicamente estruturada em uma parede de alvenaria de pedra, que representa toda uma lateral da edificação, e estruturas de madeira articuladas com apoio de cabos e esticadores de aço. As demais laterais envidraçadas conferem um olhar especial à bela paisagem em volta dela. O telhado é em cobre e possui aberturas que permitem a claridade entrar abundantemente no espaço da nave. Sim, a iluminação artificial da Capela é extraordinária também. Além de ser de uma arquitetura simples, leve e linda, o cuidado na linguagem utilizada em todos os elementos da edificação chama bastante atenção. Desde o Desenho das peças que estruturam o edifício, os encaixes, os detalhes de mobiliário, as luminárias e o trabalho de iluminação, os rasgos de luz no telhado muito bem localizados, enfim, uma pequena joia este edifício. Projeto de 2010 dos arquitetos Maurice e Walter Jennings.

Vista da capela. (clique na imagem pra ampliar)
 
Internamente, com vista para a alvenaria de pedra.

Internamente, olha a iluminação por debaixo dos bancos!

Vista do púlpito.

Entrada com fonte em primeiro plano.

Lateral e vista do vale.

Detalhe dos tirantes.

Detalhe da luminária.

Detalhe do banco.

Lateral envidraçada e aberturas da cobertura.

Cobertura vista por baixo.

imagens do dia - Iêmen

Esta noite estava procurando alguma coisa para postar por aqui e vi essas imagens muito bacanas de cidades no Iêmen. Um país relativamente jovem, a República do Iêmen foi criada em 22 de maio de 1990, porém sua história começa desde lá do Império Otomano. Localizado na península arábica, sua economia ainda subsiste basicamente da extração e exploração de seus campos de petróleo já quase esgotados.

Vista da cidade de Al Hajjara.

Al Tawila, que se desenvolve ao sope da montanha e vizinha a campos de petróleo.

Sana, capital do Iêmen.

A reportagem, aqui, garante que existe uma rica cultura em todo o país, com belíssimos exemplares arquitetônicos, e fonte de exploração para quem gosta de história e cultura 'ao vivo'. Sim, o clima ameno garantem as visitas o ano inteiro.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Ouro!

Este edifício lembra uma barra de ouro. Também, não é pra menos, haja visto que ele sedia uma empresa de "metais nobres de negociação", chamam isso de arquitetura corporativa... O projeto de Rainer Freitag, trás nas fachadas, antigas moedas de ouro recicladas que conferem esse aspecto dourado ao revestimento, e painéis que podem ser suspensos, expondo esquadrias e portas de acesso e modificando consideravelmente a aparência do edifício. 
Muito bacana essa solução para os painéis, na verdade este projeto só me chamou a atenção mesmo por conta disso, pois lembro que no meu TFG eu tinha proposto uma coisa bastante similar, mas na época esta referência ainda não existia. Tirado daqui, o projeto é de 2009 e o site é péssimo.





sábado, 27 de agosto de 2011

nem só de branco...

... vive um apartamento! Como eu ando bem cansada dos infinitos tons de branco que tem decorado os apartamentos soteropolitanos, esta morada em Washington é um refrigério e alegria para os olhos. 
As cores foram inspiradas numa embalagem de velas que a moradora comprou, e depois na aquisição de um tapete super colorido. Segundo ela, o apartamento é farto de luz natural, o que a fez escolher uma paleta com cores mais quentes. Ela foi testando amostras de cores nas paredes e vendo os resultados em diferentes horários do dia até chegar ao resultado final. 
Muito interessante, só fico na dúvida se essa combinação tão tão não acaba cansando com o tempo. Tirado daqui.





igrejas do século XXI

Andei bastante tempo sumida, reconheço... muita coisa aconteceu neste período mas não vem ao caso, e também não pensei que a vida fosse assim, tão difícil quanto se tem mostrado nos últimos tempos, mas enfim, c'est la vie! A esperança é a última que morre e cá estou eu novamente, firme e forte, espero!

Bom, indo diretamente ao que interessa, já tem algum tempo que a produção religiosa no Brasil e no mundo tem me incomodado. Porque não fazemos mais igrejas como antigamente? Por que hoje em dia os templos religiosos, salvo raríssimas exceções, não passam de caixas de acomodar gente dentro, sem nenhum tratamento estético, ou conceitual que seja. Nada! Somente um espaço de concentração humana, e não se trata de uma superfluidade mundana não, a composição dos espaços funcionam, ou pelo menos funcionavam, como uma preparação do espirito humano para entrar na transcendência divina... um dia eu ainda vou estudar e escrever mais sobre isso. Por enquanto me contento em apresentar este simpático templo na cidade de Kansas, Estados Unidos. 

O espaço, originalmente uma loja de móveis, foi transformado em espaço de culto, com projeto do escritório 360 Architetcture. A proposta era um espaço informal, onde as pessoas pudessem se reunir sem aquele rigor tradicional das igrejas tradicionais (não especifica o tipo de igreja, também acho que nem vem ao caso). O programa, que também contempla um centro comunitário, é composto, além do espaço de culto, de livraria, café, jardins, um grande living, salas de aula e espaço infantil. O projeto apresenta uma grande preocupação com a questão da sustentabilidade, apresentando soluções como a eliminação de toda a superfície pavimentada que circundava a edificação, transformada em jardim, ampliando assim a permeabilidade do solo; a reutilização de materiais reciclados na estrutura renovada e o aproveitamento de todo o material da antiga edificação. Essas foram soluções simples que produziram um baixo impacto da obra e um resultado estético, de conforto e eficiência bastante interessantes. Matéria original aqui.

Entrada principal

Jardim, antes pavimentação impermeável

Área de convicência

Espaço infantil 

Outra vista da fachada